São Camilo RJ
:: Bom Dia! | Home | Cursos | Fale conosco | Trabalhe conosco | Ouvidoria |  WebMail WebMail   

USC Quem somos

[ Carta de Princípios ]
[ Mantenedora ]
[ Missão ]
[ São Camilo e os Camilianos ]
[ Os Camilianos e o Brasil ]
[ Camilianos no Rio de Janeiro ]
[ Oração de São Camilo ]



Carta de Príncipios

1. A Província Camiliana Brasileira da Ordem dos Ministros dos Enfermos – Padres e Irmãos Camilianos – declara publicamente seu compromisso de fidelidade aos ideais do fundador, São Camilo de Léllis, atualizando seu carisma e espiritualidade para servir, com amor evangélico e competência profissional, às novas gerações em suas múltiplas necessidades, dando atenção preferencial aos mais carentes e excluídos da sociedade.

2. A missão profética que herdamos do nosso fundador, e que somos chamados a levar adiante, consiste em “testemunhar no mundo o amor sempre presente de Cristo para com os doentes”, no respeito e defesa incondicional dos valores humanos, cristãos e católicos. Em conformidade com esta missão, os Camilianos dão ênfase especial à valorização da vida e saúde, da pessoa humana, de seus profissionais, e à competente e fiel administração de suas obras.

3. Quanto à valorização da vida e saúde, os camilianos, seus profissionais e respectivas entidades respeitarão todas as suas dimensões – biológica, psíquica, social e espiritual. Empenhar-se-ão em promovê-las e cuidá-las, até o limite de suas possibilidades, segundo os valores éticos, cristãos e eclesiais, dentro de uma visão holística e ecumênica, repudiando tudo quanto possa agredir ou diminuir sua plena expressão.

4. Quanto à valorização da pessoa, as entidades camilianas caracterizar-se-ão pelo reconhecimento e defesa da dignidade fundamental de todos os seres humanos, criados à imagem e semelhança de Deus. Os que atuam em instituições camilianas deverão primar pela atenção, respeito, cuidado personalizado e amor efetivo para com todos os que utilizarem seus serviços, sem discriminação.

5. Quanto à valorização de seus profissionais, as entidades camilianas reconhecerão neles seu principal e verdadeiro patrimônio, conscientes de que é por seu intermédio e graças à sua dedicação que serão preservados os valores ora professados em favor da vida e saúde da pessoa humana. Cientes do seu valor, as entidades camilianas desenvolverão e aplicarão uma política de recursos humanos que possibilite, de forma integrada, o desenvolvimento, a capacitação profissional e formação espiritual de seus profissionais, propiciando um clima de união, fraternidade e co-responsabilidade entre todos os integrantes de suas instituições assistenciais, educacionais, sociais e religiosas. A eles seja oferecida e incentivada também a oportunidade de envolvimento na saúde comunitária e no engajamento voluntário.

6. Quanto à administração, as entidades camilianas empenhar-se-ão na busca incessante de conhecimentos humanos, éticos, científicos, tecnológicos e pastorais capazes de garantir a utilização racional dos recursos disponíveis em benefício da humanização e da qualidade dos serviços na comunidade, segundo o ideal de São Camilo. Além da excelência administrativa, as entidades camilianas terão sempre presente o compromisso fundamental de respeito e preservação dos valores que professamos, colocando-se efetivamente a serviço da vida e saúde das pessoas, sobretudo as mais carentes e excluídas e valorizando seus profissionais. Desta forma, a administração não terá um fim em si mesma, mas será um excelente instrumento para a viabilização da visão cristã de valores no mundo da saúde, bem como para o exercício eficiente e eficaz do carisma camiliano, tornando-nos agentes de transformação.

7. As entidade camilianas estudarão e estabelecerão estratégias adequadas que possibilitem a avaliação de seus recursos e energias, para desenvolvê-los sempre mais, respeitadas suas respectivas áreas de atuação social, assistencial e educacional. Elas buscarão a integração, sinergia de esforços e recursos, mútua ajuda e colaboração, parcerias em áreas afins, fortalecendo-se na unidade e missão, em vista da promoção e construção de uma sociedade mais saudável, justa e solidária.

NOTA: Este documento que foi atualizado a partir das conclusões do “I Encontro de Líderes leigos Camilianos”, (São Paulo, 8-9 de abril de 2002), foi aprovado pelo Conselho Provincial da Província Camiliana Brasileira em sua reunião ordinária mensal de 10/05/2002.


Mantenedora

A Faculdade São Camilo-RJ é mantida pela USC - União Social Camiliana, instituição camiliana no Brasil, fundada em 1954 e comprometida com a causa da educação, notadamente nas questões relacionadas à saúde, formando profissionais preparados para um constante desenvolvimento do mundo.


Finalidades

» Manter e desenvolver a educação, o ensino, a pesquisa e a extensão em padrões de elevada qualidade;
» Formar profissionais competentes em diferentes áreas de conhecimento;
» Promover e divulgar a pesquisa acadêmica;
» Colaborar com entidades públicas e privadas na formação de recursos humanos

http://www.saocamilo.br/


Missão

Promover o desenvolvimento do ser humano por meio da educação e da saúde, segundo os valores camilianos.

Visão

Ser uma organização de referência nas áreas da educação e da saúde, com ações que promovam a melhoria da qualidade de vida na sociedade.

Compromisso

Educar para promover a saúde é um meio de desenvolver a sociedade e de minimizar a desigualdade entre as pessoas.

De acordo com a Filosofia Acadêmica Camiliana, o conceito de saúde exige uma abordagem vinculada à noção de "bem-estar" do ser humano integral.

O Centro Universitário São Camilo coopera positivamente para a saúde, enquanto bem-estar do meio social no qual está inserido, contribuindo para formar pessoas que assim o concebam, e, de acordo com isso, trabalhar.


Carisma dos camilianos

A família camiliana está a serviço da pessoa humana no que ela tem de mais precioso: a vida e a saúde. Seu campo de ação é o mundo da saúde, prevenindo a doença, curando os doentes na globalidade do seu ser e reinserindo-os na sociedade. Em colaboração com outros profissionais, os camilianos - em obediência ao mandato do Cristo: "Pregai o evangelho e curai os doentes" – cumprem sua missão atentos às necessidades da área da saúde, prontos para assumir qualquer serviço segundo suas capacidades e competências, tendo sempre em vista a promoção do homem e a construção do reino de Deus. Para estarem sempre à altura da missão, seus estatutos prescrevem que, além dos cursos normais de Filosofia, Sagrada Escritura e Teologia, "os religiosos cultivem a formação sanitária que os tempos exigem, juntamente com as ciências que proporcionam um conhecimento mais completo da pessoa humana.

Frequentem cursos de pastoral segundo as necessidades de cada lugar e as capacidades de cada um, cursos de outras ciências afins e do campo da saúde, como sociologia, psicologia, dinâmica de grupo, medicina, psiquiatria". "Nossos religiosos procurem, de todos os modos, difundir a teologia e a pastoral da saúde, ensinar ética profissional, ajudar e incentivar as associações de capelães hospitalares, colaborar na imprensa destinada aos doentes ou ligada de qualquer forma aos problemas do mundo da saúde. Valham-se dos meios modernos de comunicação social aptos para o apostolado" (Disposições Gerais da Ordem n. 11 e 12). Ultimamente os camilianos têm dado maior ênfase ao estudo e ensino da Bioética, especializando seus membros, abrindo centros de formação no campo da saúde, publicando artigos e livros. Há dez anos fundaram, em Roma, o Camillianum, instituto internacional pontifício de teologia e pastoral da saúde, aberto também a leigos, que confere os graus de mestrado e doutorado, e prepara especialistas para os diversos países e dioceses.

O Camillianum publica uma revista, com o mesmo nome (Camillianum), que traz artigos científicos referentes ao mundo da saúde, inclusive de bioética, em italiano ou na língua original do autor. No fim do ano passado, o Camillianum publicou o alentado DIZIONARIO DI TEOLOGIA E PASTORALE DELLA SALUTE, único no gênero, que teve boa acolhida na Itália e está sendo traduzido em outras línguas, inclusive em português. Este dicionário dá amplo espaço às questões de bioética, dedicando-lhe em particular dois longos verbetes que são como um compêndio desta disciplina: Bioética - história e problemática hoje e Bioética: fundamentos. Em colaboração com o "Istituto di Bioetica" da "Università Cattolica S. Cuore di Roma", o Camillianum acaba de instituir um curso intensivo de "Master in Pastorale Sanitaria" para os laureados em disciplinas do mundo da saúde.


Espiritualidade

A cada carisma corresponde uma característica especial da espiritualidade cristã. A espiritualidade dos camilianos jorra do coração do Evangelho: eles querem ser instrumentos do amor do Cristo para com os doentes, como bons samaritanos (Cf Lc 10,29-37) e ao mesmo tempo servir o Cristo em quem sofre (Cf Mt 25,36.40): "Toda a nossa vida religiosa deverá ser permeada pela amizade de Deus, para que saibamos ser ministros do amor de Cristo para com os doentes. Desta forma, torna-se manifesta em nós aquela fé que, em Camilo, atuava na caridade e pela qual vemos nos doentes o próprio Cristo. Nesta presença de Cristo nos doentes e em quem os assiste em seu nome, encontramos a fonte da nossa espiritualidade"
(art. 13 da Constituição da Ordem).

São Camilo e os Camilianos

A Ordem dos Ministros dos Enfermos (padres e irmãos camilianos) tem como carisma específico o serviço global aos doentes, com atuação em todos as áreas do mundo da saúde. Seu fundador foi São Camilo de Lellis, que nasceu em Bucchianico (Chieti - Itália), cidadezinha acocorada sobre um morro na costa adriática, em 1550 - justamente no ano em que falecia outro herói da caridade, S. João de Deus - e morreu em Roma, em 14 de julho de 1614.
Até os 25 anos, Camilo levou vida fútil de católico superficial. Seguiu o pai como militar, engajou-se em guerras e perdeu-se no jogo. Ficou órfão muito cedo de mãe e pai, foi desligado do exército por falta de guerras, contraiu uma chaga incurável na perna; reduzido à miséria buscou trabalho junto aos capuchinhos e após longa reflexão, de repente sentiu-se envolvido pelo amor de Deus e exclamou: Por que não te conheci antes, Senhor! Dá-me tempo para resgatar o tempo perdido.

Convertido, entregou-se de corpo e alma ao serviço dos doentes, vendo e servindo neles o próprio Cristo. Onde quer que encontrasse alguém sofrendo, aí era para ele lugar de culto. Mas foi no hospital de São Tiago em Roma onde ele concentrou sua atividade. Aí agregaram-se a ele outros voluntários e assim, em 1582, nasceu a primeira família camiliana que aos poucos se transformou em Ordem dos Ministros dos Enfermos, conhecidos popularmente como Camilianos. A Igreja reconheceu na comunidade nascente um dom especial de Deus para os doentes e sofredores, declarou santo o seu fundador, e denominou a Ordem camiliana: nova escola de amor.

Seu distintivo é uma cruz vermelha, que mais tarde se tornou o símbolo universal de solidariedade e serviço desinteressado aos que sofrem, com livre trânsito em todas as nações.

Hoje, após 400 anos, os religiosos camilianos marcam presença em 35 países espalhados nos cinco continentes, em frutuosa colaboração com uma legião de leigos que se inspiram neste grande revolucionário do mundo da saúde. Muito apreciada sua presença nas "terras de missão" do Extremo Oriente, da África e da América Latina, onde os Camilianos procuram aliar a pregação da Palavra com a cura dos doentes, levando aos mais pobres os recursos da medicina moderna e à Igreja missionária a contribuição do seu carisma na área da Pastoral da Saúde e no ensino da bioética.
Ao longo da história, a família camiliana foi-se alargando. Da "plantinha", como a chamava o fundador, foram brotando novos ramos:
•  A congregação das irmãs Ministras dos Enfermos, fundada em Luca (Itália), em 1841, pela bem-aventurada Maria Domingas Barbantini, com missões em Taiwan, Tailândia, Kênia e já com numerosas casas no Brasil.
•  A congregação das Filhas de S. Camilo, fundada em 1892 pela bem-aventurada Giuseppina Vannini e o padre camiliano Luigi Tezza, presente em diversos países da Europa, na América Latina (especialmente na Argentina e Brasil) e na África.
•  A congregação das religiosas "Stella Maris", fundada no Brasil pela Ir. Gilda Tasciatore e colegas que vieram da Itália para servir os hansenianos.
•  O Instituto secular das Missionárias dos Enfermos Cristo Esperança, fundado em 1936 por Germana Sommaruga, presente em diversos países de missão e no Brasil.
•  A Comunidade das Irmãs Camilianas (Instituto secular) e dos Amigos dos Doentes e Sofredores, fundada há 15 anos pela enfermeira Heidi Hinteregger, na Áustria, presente também na Alemanha e já florescente no Brasil.

Os Camilianos e o Brasil

Os camilianos chegaram ao Brasil em setembro de 1922. O iniciador, Pe. Inocente Radrizzani, e seu companheiro de missão, Pe. Eugênio Dalla Giacoma, gostavam de recordar a exultação e deslumbramento que experimentaram à vista da cidade maravilhosa, ainda engalanada por ocasião da celebração do centenário da independência do Brasil que eles estavam adotando como sua nova Pátria.

Hoje os religiosos camilianos estão presentes em sete Estados do Brasil, tendo sua Casa-mãe e suas principais instituições na capital de São Paulo. Mas sua atividade se estende pelo Brasil afora, graças aos colaboradores leigos e aos numerosos profissionais formados em seus institutos de ensino. São representados civilmente por diversas entidades beneficentes que atuam na área religiosa, da saúde e do ensino, inspiradas no Evangelho e pautadas pelas diretrizes pastorais e normas éticas da igreja católica, destacando-se entre elas a "Sociedade Beneficente São Camilo" (na área do serviço à saúde) e a "União Social Camiliana" (na área do ensino). As entidades e instituições camilianas visam servir, da melhor maneira possível e sem discriminação, especialmente as camadas mais carentes do nosso povo, reinvestindo em suas finalidades filantrópicas os eventuais resultados econômicos que possam vir a ter.


Camilianos no Rio de Janeiro

A Faculdade São Camilo, localizada no Rio de Janeiro, é uma unidade organizacional da União Social Camiliana (Mantenedora), fundada em 1954, com sede em São Paulo, por sua vez componente da Província Camiliana Brasileira, fundada em 1922, sendo esta integrante da Ordem dos Camilianos, fundada em 1582, na cidade de Roma, Itália.
No Rio de Janeiro, os Camilianos mantém, desde 1980, a Faculdade São Camilo-RJ. Desde de 2001, o curso de Administração e a Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac, fundada em 1939.
Empresas de porte procuram os alunos da Faculdade São Camilo-RJ para recrutar estagiários. A qualidade do ensino oferecido pela faculdade também se revela através dos muitos prêmios que professores e alunos conquistam em congressos, seminários e simpósios.
A Faculdade conta, também, com um centro de pós-graduação atuante no Rio de Janeiro e em outras cidades brasileiras como Juiz de Fora, Niterói, Macaé e Campos. Os cursos oferecidos são de especialização lato sensu e MBA.

Oração de São Camilo

Senhor, Deus de toda a consolação,
Pai rico em misericórdia, vós sois amor.
Conheceis nossas necessidades e estais presente em nossos sofrimentos.
Escolhestes São Camilo para cuidar dos doentes e ensinar como servi-los.
Pedimos, por vossa intercessão, o dom da caridade que ilumina,
fortalece e leva à plenitude a nossa vida para amar-vos também em nossos
sofrimentos e servir-vos com amor em nossos irmãos e irmãs doentes.
Amém.


Voltar ao topo

Rua Dr. Satamini, 245 | Tijuca | Rio de Janeiro | Cep: 20270-233 | Tel: (21) 2117-4200